top of page

FliParacatu: Encontros com a nossa ancestralidade

CONCEIÇÃO

O encontro mais especial não estava na agenda mas, com certeza, já estava marcado. Foi durante a visita do nosso grupo de Brasília à Casa da Cultura de Paracatu, cidade mineira, que ainda carrega traços fortes de uma história que nos remete ao Brasil colonial. A conversa informal com a maior escritora brasileira viva, foi uma imersão no aprendizado, na sabedoria da cultura negra e na nossa ancestralidade.


Conceição Evaristo é de Minas Gerais, nasceu em Belo Horizonte, em 1946, a segunda dos nove irmãos, criados na favela do Pintura Saia. Ela trabalhou como babá e faxineira enquanto fazia o curso secundário. Foi para o Rio de Janeiro fazer a faculdade de Letras na UFRJ e estreou na literatura aos 44 anos, quando teve seis poemas publicados na coletânea 13 do Cadernos Negros, importante veículo de divulgação da literatura afro-brasileira.


Nesse retorno à Minas, Conceição Evaristo chega consagrada, como a grande homenageada daquela primeira Feira Literária Internacional de Paracatu, entre os dias 23 e 27 de agosto. Uma mulher especial, sem dúvida. Uma presença que se impõe pela beleza e postura, pela fala mansa e forte. Por proferir palavras que emocionam e instruem, que nos unem na irmandade que jamais deixou de existir. Nos mostram a importância do aquilombamento como forma de resistência e existência. Uma importante lição da grande mestra. 🤎

vídeo: elisamattos


Quando a imagem dispensa legenda 👑

📸elisamattos



Eu e Conceição, Conceição e eu 🤎

Quanta honra e satisfação trocar palavras e os livros que refletem as nossas escrevivências .



SANTANA

Uma tarde linda de sábado, com a arte cênica de artistas locais, numa peça montada na praça da primeira igreja de Paracatu, especialmente para o grupo brasiliense. Uma lindeza. Espetáculo que reunia causos pitorescos do cotidiano dos moradores do bairro de Santana, onde todo mundo é parente e a história de cada um se amarra num grande nó de cumplicidade e amor. Quanta riqueza, quanta emoção, ancestralidade na veia!



AMOR

Quando o assunto é Amor, com a palavra o filósofo Renato Noguera, uma autoridade no tema, com toda a sua complexidade e vivências. Um encontro de milhões na FliParacatu.



A VESTIDA

Uau! Encontrei também a vencedora do Prêmio Jabuti 2022, com o livro de contos

A VESTIDA. Eliana Alves Cruz me dedicou seu livro com muito afeto e ainda fez close

com MEU REVERSO. Um luxo, gratidão 🤎


Poema para kauê e Conceição


ANCESTRALIDADE

Quantos degraus separam

o tempo entre o menino preto

de olhar alerta

e a senhora-rainha,

que surge em seu caminho

sem marcar hora

trajada de azul celeste

e joias pelo corpo

equilibrando a coroa

Com elegância e sabedoria ?

O tempo é o senhor

do nosso povo.

Capaz de unir na mesma

escada, na mesma escala,

os que chegaram há pouco

entre quem aqui já girava

a roda do existir.

Vida negras.

Não é acaso

Não é coincidência

É encontro

É dever do tempo

É estar no mesmo

espaço sem combinar

É troca de olhares

É se reconhecer e

Reverenciar.

É ancestralidade.


Elisa Mattos Paracatu 27/08/2023

*************

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare

Mit 0 von 5 Sternen bewertet.
Noch keine Ratings

Rating hinzufügen

Deixe seu comentário

Âncora 1
Assine aqui para receber os novos textos!

Obrigado pelo envio!

bottom of page