Racismo na Internet, por Néia Costa*


O livre acesso à informação é requisito mínimo para abranger o eixo democrático e garantir o cumprimento dos Bbb direitos humanos. O direito ao acesso à informação não se restringe apenas em recebê-la, mas em buscá-la e transmiti-la. A divulgação das informações tem contado com um excelente aliado: as tecnologias de informação e comunicação. Esses meios são mecanismos poderosos para que as informações sejam processadas e divulgadas, facilita o acesso e convida a sociedade a participar de forma democrática. Entretanto, nem toda participação na Internet é benéfica para a população. Trata-se, também, de um ambiente propício para reproduzir a lógica racista da sociedade. É preocupante e comum a casos de racismo na Internet, pois muitos acreditam ser a plataforma uma terra sem lei. Ofensas racistas partiram das redes sociais à Taís Araújo (2015), atriz global; à Maria Júlia Coutinho (2016), apresentadora da previsão do tempo no Jornal Nacional; e à Titi (2017), filha do ator Bruno Gagliasso. Outros tantos casos aconteceram sem que houvesse repercussão. E assim acontecem as violências contra o povo negro invisível e silencioso. Outro aspecto a ser considerado é a diminuição e a ridicularização do preconceito vivido por este grupo, que se adapta às redes sociais e a tantos outros espaços e plataformas. Em 12 anos, segundo indicadores da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, a Central de Denúncias, coordenada pela ONG Safernet, recebeu e processou aproximadamente 567.497 denúncias anônimas de racismo envolvendo 96.179 páginas (URLs) distintas (das quais 32.095 foram removidas) escritas em 7 idiomas e hospedadas em 11.306 hosts diferentes. É importante lembrar que existe legislação sobre o assunto, mas pouco se aplica o chamado Marco Civil da Internet. Este, por sua vez, determina que deve haver respeito à liberdade de expressão e limita o exercício da cidadania nos meios digitais com vistas a garantir os direitos humanos. Existem meios para que esse ambiente tecnológico seja vantajoso para a população, o que falta são campanhas para promoção da igualdade racial na Internet e conscientização da população. Não sei você, mas não é para isso que eu pago a Internet.

Texto original publicado no site do Coletivo Literário Maria Cobogó

https://mariacobogo.com.br/racismo-na-internet/

*Lineia Costa é cidadã quilombola, nascida em Berilo, Minas Gerais. Formada em Publicidade e Propaganda, é especialista em comunicação institucional e redação oficial. Atualmente é servidora da Secretaria de Educação do Governo do Distrito Federal. Apaixonada por literatura, Neia traça também sua caminhada na escrita crítica e literária.




Posts recentes

Ver tudo

Deixe seu comentário

 
Assine aqui para receber os novos textos!

Obrigado pelo envio!